Archive

fevereiro 2019

Browsing

Você sabia que o conteúdo dos glitteres são microplásticos que nada mais são do que plásticos moídos? Por ser uma partícula muito pequena o controle da reciclagem desse material é quase impossível. 

Lavar o glitter na pia do banheiro joga ele diretamente para o oceano, jogar glitter no corpo no meio da rua e deixar cair no chão leva os glitteres para esgotos e consequentemente para os oceanos. Ou seja, todo lugar que a gente usa e sai do potinho foge do nosso controle, e por isso o fim desse material são sempre mares.  

Com foco na resolução desse problema nós e outras marcas preocupadas com o meio ambiente desenvolvemos os potinhos de glitter biodegradável. Nós temos nas cores cobre, amarelo e graffiti podem ser comprados on line no site https://www.elo7.com.br/lojadesavesso. São compostos por pigmento cosmético mineral e vegetal e gelatina incolor. Depois de usar é só lavar na pia e retirar todo o conteúdo que será tranquilamente decomposto na água em algum tempo.

A cidade de São Paulo deve ser a mais nova capital a adotar uma lei que proíbe o uso e fornecimento dos canudos de plástico em hotéis, restaurantes, bares, padarias e demais estabelecimentos comerciais. A multa para quem descumprir a lei vai ser de 8 mil reais.  

O projeto está em fase final de redação e aprovação pela Câmara Municipal, e logo depois segue para sanção do Prefeito Bruno Covas, que já demonstrou interesse em aprovar o projeto.  

O motivo da lei grande parte da população já conhece, é que o canudo compõe 4% do lixo plástico dos oceanos. Além disso, por ser um componente de petróleo, pode demorar mais de 1000 anos para se decompor. Ele também entra no time dos outros resíduos plásticos que até 2050 devem existir em maior número nos oceanos do que os peixes.  

As cidades litorâneas de Fortaleza, Salvador, Rio de Janeiro, Camboriú, Ilhabela,  Santos e a ilha de Fernando do Noronha já proibiram o uso do canudo. 

Assim que o poder executivo de São Paulo aprovar o projeto de lei a cidade vai entrar para o rol dos governos preocupados com o combate com o descarte de materiais de difícil decomposição. Resta à população adotar novos hábitos e à iniciativa privada rever seus conceitos de uso e descarte para oferecer soluções que incluam a compostos biodegradáveis em suas metas principais de inovação. 

Quem tiver interessado em combater o descarte de canudos de plástico pode comprar os canudos sustentáveis do Desavesso feitos de aço inox, que podem ser reutilizados diversas vezes, disponíveis na nossa loja on-line: www.elo7.com.br/lojadesavesso.

O carnaval surgiu como uma celebração do homem por sua colheita adquirida, muita festa e celebração em comunhão com a natureza em gratidão aos bens fornecidos por ela. Porém nos dias atuais o que vemos é uma grande massificação do consumo de insumos descartáveis e a festa acaba se tornando um grande gerador de lixo, que na hora da folia é usada em meio a muita alegria, mas depois vira um monte de entulho. Fantasias de plástico, plumas, pedaços de metal e às vezes vidros e espelhos que tem uma baixíssima durabilidade e uma decomposição longa, com décadas a perder de vista. Escute seu coração e a natureza e leia esse texto para entender os motivos que fazem o único carnaval possível ser aquele que nós fazemos as pazes com a mãe terra e a respeitamos. Descubra quais pequenos hábitos podem ser transformados para tornar a folia menos poluente.  

Plástico, plumas e partículas de vidros, e outros descartáveis que podemos evitar para não sermos os vilões da folia

Um dos maiores vilões do carnaval é o glitter e a purpurina. Os conteúdos dos glitteres são microplásticos, que nada mais são do que plásticos moídos. Outro componente encontrado muitas vezes fundido na mesma partícula é o metal, ou plástico metalizado, o que dificulta ainda mais a decomposição já que são dois insumos diferentes grudados.

O problema de utilizar microplástico pra brilhar no carnaval é que o controle do descarte desse material é quase impossível. Lavar o glitter na pia do banheiro joga ele diretamente para o oceano, jogar glitter no corpo no meio da rua e deixar um rastro de purpurina no chão leva os glitteres para esgotos e consequentemente para os oceanos. Ou seja, todo lugar que a gente usa e sai do potinho foge do nosso controle, e por isso o fim sempre são os mares.  

Para solucionar esse problema de quem quer brilhar sem poluir foi criado o glitter biodegradável. Muitas marcas se especializaram em produzir esse item e estão vendendo principalmente online, e como o Desavesso é um defensor de uma sustentabilidade prática e funcional também aderiu à moda. Os glitteres biodegradáveis nas cores coral, dourado e graffiti podem ser comprados on line no site https://www.elo7.com.br/lojadesavesso. Eles são compostos por pigmento cosmético mineral e vegetal e gelatina incolor. Depois de usar é só lavar na pia e retirar todo o conteúdo que será tranquilamente decomposto na água em algum tempo.  

Outro ponto em que o folião pode contribuir para a diminuição do descarte na época do carnaval é na hora de investir em fantasias. Assim como as roupas tudo que for usado mais vezes é mais sustentável, portanto tente identificar no seu guarda-roupa ou de outras pessoas próximas se por acaso não tem alguma fantasia que você possa reformular para usar de novo. Há ainda a possibilidade de emprestar de algum amigo, ou até quem sabe usar alguma roupa como fantasia incrementando a maquiagem e os acessórios, é uma maneira de cuidar do meio ambiente e também de economizar. Nunca é demais reforçar que não é tudo que você vê que você precisa comprar só porque alguém famoso está usando ou porque parece que vai ficar maravilhoso e todo mundo vai estar usando o item mais babado desse carnaval.

As festas de carnaval também costumam ter muitos itens jogados que aumentam o clima de folia. Mas gente, tem mesmo que jogar um monte de papel no ar pra virar festa? O que vale usar serpentina e confete que depois vai ser tudo varrido para o lixo numa grande bola de papel? Não tem graça. Essa é uma moda que existe há décadas e que está muito ultrapassada. Hoje ainda há algumas opções biodegradáveis pra substituir o confete fazendo em casa mesmo, com um furador de círculo recorte várias folhas de árvore e transforme em um confete 100% natural.

Ninguém precisa sujar o mundo para brilhar, mas já que é quase impossível evitar o plástico para fantasias e acessórios ao menos busque dar preferência para as peças sem partículas pequenas e que mesmo que sejam descartadas podem ser recicladas, e sempre que for possível use itens que não possuem plástico na composição. Lembre-se de descartar todos os itens que não podem mais usados por estarem danificados no local correto e não jogue simplesmente na rua quando parar de te servir, e se ainda tiver durabilidade passe para frente, doe para algum amigo ou outra pessoa que possa usar.  

Claro que para adotar todos esses hábitos vamos ter que sair da nossa zona de conforto e fazer algumas coisas que talvez deem um pouco mais de trabalho do que só entrar numa loja e comprar uma roupa, acessório ou fantasia e sair. Mas olhando isso ao longo dos anos vai ser um ganho muito importante para o planeta e em pouco tempo é possível sentir esse benefício nas economias. São pequenas mudanças que aprimoram nossa vida e convivência. O nosso planeta é só um, não tem um plano B então a hora da gente cuidar dele é agora mesmo mesmo em meio a folia.

Que tal fazer uma limpa no guarda-roupa e começar o ano com as energias renovadas também no seu armário?
Praticar o desapego é essencial, então confira algumas dicas pra fazer uma limpa no guarda-roupa:

Primeiramente, você precisará de tempo para fazer isso. Não adianta tentar fazer isso de forma rápida, entre um intervalo de algo que você está fazendo. Você deve tirar um dia para fazer a limpa. Não tenha preguiça e tenha bastante paciência, pois você só vai conseguir fazer uma limpa completa se olhar peça por peça.

Uma sugestão é você fazer por partes, se achar melhor, não precisa fazer tudo em um único dia. Tire um dia para mexer nas peças de calor, outro nas peças de frio e um só para os calçados. Assim você consegue focar em cada tipo de peça e divide melhor o seu tempo.

Você tem que olhar todas as peças, uma por uma, então tire tudo do armário e separe entre as peças que você usar mais e as peças que você usa menos. Dessas que você usa menos, pegue cada uma e pergunte-se “qual foi a última vez que eu usei essa?” Se faz mais de um ano que você não usa, você deve se desfazer, pois significa que você não usou essa roupa em nenhuma estação e também em nenhuma ocasião. Ou seja, você não vai usá-la.

Essas peças que você usa menos, mas eventualmente usa, repare se ela combina com as outras peças que você tem para compor os looks ou se você sempre tem que fazer um esforço para usá-las. Se você usa muito pouco, é melhor desapegar. Pois vale a pena você ficar com itens que você realmente se identifica e que sejam úteis para você se vestir no dia a dia.

Outro critério é: serve ou não serve? Separe para o desapego tudo o que não te serve, não adianta pensar que você vai ganhar ou perder peso para usar aquela roupa. Ela vai ficar ali jogada sem uso, caso você mude muito o seu peso, futuramente você compra peças novas, reforma, dá um jeito.

Tire do seu guarda-roupa aquelas peças que não tem mais a ver com o seu estilo. Nós estamos sempre mudando de estilo, temos fases, portanto, algumas peças que no passado faziam todo sentido, às vezes agora não fazem mais. Então não tem porque elas ficarem apenas ocupando espaço. Fique só com peças que combinam com seu estilo, com sua personalidade e que te fazem bem.

BÔNUS: DICA DA MARIE KONDO
Agora, uma dica mais reflexiva que não é nossa, é da Marie Kondo, autora do livro: A Mágica da Arrumação. Pegue peça por peça na mão e pergunte a si mesmo: ‘Essa peça me traz felicidade’? Porque tem vestimentas que nos deixam felizes mas algumas simplesmente não fazem diferença na nossa vida. Então elimine aquilo que não te traz felicidade.

Além disso, estreou há pouco tempo na Netflix uma série chamada ‘Ordem na Casa’, também com a participação da Marie Kondo. Fica a dica!

Nós sempre trazemos aqui temas relacionados à moda consciente e sustentável, mas acreditamos que seja importante pontuar o que significa cada termo que citamos. Então apresentamos aqui um ‘dicionário da moda consciente’ com o significado de cada expressão.
Moda consciente – é refletir sobre o consumo, vai contra as ideias do consumismo, se você pratica a moda consciente você compra aquilo que precisa, aproveita bem o que você já tem, busca conhecer os processos de fabricação e investe em alternativas de consumo (compra de segunda mão, trocas, etc)
Moda sustentável – está relacionada diretamente à sustentabilidade. Marcas que praticam moda sustentável não geram impactos negativos ao meio ambiente e nem às pessoas envolvidas nos processos de produção.
Slow fashion – é o contrário de fast fashion, basta fazer uma analogia ao fast food e slow food. Consumir de uma maneira mais consciente, pensando na qualidade das peças, na durabilidade, investindo em peças atemporais também ou que você consiga usar por muito tempo, pois têm a ver com o seu estilo.
Garimpo – é olhar um monte de peças e buscar aquelas que têm a ver com você, usamos esse termo principalmente em bazares e brechós.
Desapego – é tirar do seu guarda-roupa peças que você não usa mais.
Bazar – lugar de vendas de roupas usadas que normalmente acontece em instituições, igrejas, entidades, normalmente não há uma curadoria nem critérios de seleção, e os preços são muito baratos.
Brechó – funciona como uma loja física, as peças são separadas normalmente por tamanho ou por tipos de peças, mas também são roupas usadas e geralmente são mais baratas que peças novas de lojas convencionais.
Para mais dicas de moda consciente e sustentável, inscreva-se no canal Desavesso no YouTube!